• CONEXÕES CLÍNICAS

    featured_p_img
  • À escuta da vida contemporânea

    featured_p_img
Permalink

– Quebrando o viés “Made in USA” (por Flavia Cerruti)

pombas

Viver em Nairóbi (Quênia) me fez sentir pela primeira vez a responsabilidade que carregamos com a nossa imagem. Sou latina e sempre me identifiquei com a cultura do hemisfério Sul. Eu passei um pouco mais de um ano viajando em bicicleta pela América do Sul e, sempre que me deparava com alguém adaptado à cultura do hemisfério Norte, tentando compreender o caos latino, era um prazer para mim explicar que não nos comportamos desta maneira sem motivo. Podendo, compartilhava um pouco da nossa História: período de colonização, neocolonização, etc. Sempre me aborreceu seguir padrões exteriores e não construir nossa própria História.

Então, eu vim para África e uou! Aquela latina descolada se deu conta do quanto seus padrões são muito mais atados à cultura do hemisfério Norte do que ela imaginava.

Em Nairóbi, a população original é 99% negra, então, se você é branca, automaticamente você é enquadrada na categoria muzungo (gringos), não importando se é da Alemanha, do Brasil ou dos EUA. A princípio, era uma faca no peito: “Como assim você pode me colocar no mesmo balaio que um francês?!? Eu sou do Brasil, um dos países com maior nível de desigualdade do mundo! A gente também foi colônia! ”

Eu ando na rua e me gritam: “Muzungo! Muzungo! Muzungo!” (E, muito curiosamente, tenho uma amiga carioca negra que está feliz da vida, pois, pela primeira vez, não está sentindo-se discriminada). Mesmo que eu morasse aqui há cinco anos, ainda assim me diriam “welcome, muzungo!”.

Trabalho numa média empresa que produz mel e produtos naturais. No escritório, solicitaram que eu participasse das reuniões semanais da gerência. Eu era a única muzungo e não entendia mais de metade do que falavam. Não pelo inglês misturado com kiswahili (idioma local) ou pelo contexto, mas pelo tom de voz tão baixo, quase inaudível. Eu ficava metade da reunião: “Ahnn? Quêee?? Can you speak louder, please?!”.

Conversando com amigas daqui percebi como sempre foi normal para elas, e ainda é entre grande parte dos adolescentes, respeitarem uma hierarquia. Não se sentem dignos para expressar suas opiniões e crescem evitando qualquer tipo de conflito. É um nível de obediência análogo ao das condições de escravidão. Um dos propósitos mais comuns entre os projetos sociais daqui é desenvolver autoconfiança e habilidades cognitivas, como a comunicação, entre os jovens. Nunca vi tantas pessoas que executam programas de motivação para jovens.

O fato de ser branca já é suficiente para intimidá-los, mesmo que você seja latina. Durante minha viagem em bicicleta, conheci um estadunidense que viajava em moto. Branco, bonito e jovem, ele me contou como, muitas vezes, ao chegar em pequenas vilas, achavam que ele era Jesus!

Outro dia assisti ao documentário God loves Uganda (dirigido por Roger Ross Williams) que trata como os missionários evangélicos estadunidenses estão modificando a cultura africana impondo seus valores cristãos. Um dos pontos principais é a questão da homossexualidade, sendo demonizada por cristãos, que realizam tamanha lavagem cerebral, a ponto de ter sido permitido por Lei a perseguição e exterminação LGBT em Uganda até 2012!

Tirando o absurdo, que deveria ser óbvio, retratado no documentário, fico me perguntando quantos outros padrões sociais mais, tão absurdos, já nos parecem certos. As igrejas em todas as esquinas, os estereótipos de beleza, as músicas, os filmes, as franquias, as marcas, as comidas, a dependência de celular, o crescimento atrelado a padrões econômicos…. Como diria Galeano, se Alice renascesse hoje, nem necessitaria atravessar um espelho.

E não são apenas referências, eu me comporto assim, eu sinto empatia por essas tendências e nunca me dediquei a mudar, pensando que “Sou latina, sou diferente”. Minhas escolhas estão muito mais próximas a padrões globalizados do que eu desejava. Eu precisei estar fora da América Latina para sentir esse incômodo.

Dada esta percepção, há um desafio ainda maior: como treinar para romper com estes comportamentos e empatias, inconscientemente impostos? Há uma intenção genuína de simpatizar por coisas conhecidas, portanto, como podemos forçar o racional a mudar comportamentos emocionais adquiridos?

Fez parte do meu programa de estudos no Amani Institute uma jornada pessoal de autoconhecimento. Uma vez que o Instituto visa desenvolver profissionais que criem impacto social, não há melhor protótipo do que você mesma. Não necessitamos apenas de habilidades técnicas, mas também de habilidades espirituais.

Neste processo, li o livro Let your Life Speak. Nele, o autor Parker J. Palmer compartilha insights de sua depressão com todos que buscam o verdadeiro propósito de suas vidas. De acordo com Palmer, o capitalismo construiu um legado em que a crença no poder de fatores externos é muito maior do que no nosso poder interior (quantos já não trabalharam em sistemas baseados na crença de que as únicas mudanças que importam são as que podem ser mensuradas? Quantas vezes viu pessoas matarem sua criatividade por políticas e práticas tradicionais acerca do que podem fazer?).

palmerSeguindo, o autor cita cinco “monstros” que encarou durante sua depressão, que tratam de comportamentos e crenças socialmente notados:

  1. A insegurança acerca de nossa identidade e a necessidade de nos mostrarmos para o mundo, faz que com que nossa real identidade dependa mais de uma performance ou algum papel social que assumimos, podendo nos levar à depressão.

  2. Muitos de nós acredita que o universo é um campo de batalha, um binomial em que só se pode ganhar ou morrer, como se não houvesse consenso e cooperação. O que nos leva a temer, pois, se não ganharmos, morreremos.

  3. A convicção inconsciente de que não há o acaso; de que tudo que vier a acontecer, somente acontecerá porque nós o realizaremos. Como se não existisse a possibilidade de outros atos, inclusive melhores que os nossos. Uma patologia em que temos que impor nossas vontades e, caso contrário, nos estressamos, desesperamos, etc.

  4. Queremos organizar e orquestrar as coisas, como se o caos não fosse condição inerente da criatividade.

  5. Negamos a morte. Perpetuamos atos e projetos que já deveriam ter morrido; logo, tememos falhar. Tampouco compreendemos a morte associada ao nascimento de algo novo.

O mundo é injusto, mas, principalmente, porque nós o fazemos assim. A partir da conscientização dos aspectos históricos e sociais que marcam a desigualdade mundial, criamos empatia com o outro. No entanto, acredito que este processo se inicia mergulhando dentro das nossas próprias vidas: questionando nossas referências, expondo nossas dores e nos unindo para quebrar vieses.

Durante minha passagem por São Paulo, entre a viagem de bicicleta e a vinda para Nairóbi, me chamou a atenção como, neste um ano fora, apesar de toda crise política, as comunidades feministas, negras e LGBT fortaleceram-se. As sociedades que valorizam a diversidade são muito mais interessantes. Não há a agonia de uma sociedade desigual, esse sentimento de sermos enquadrados e de nos enquadrarmos na imagem que nos foi atribuída.

Este texto inspirou os músicos Marília Calderón, Marcio Policastro e Sander Mecca a comporem a música Muzungo:

* Flavia Cerruti é administradora, estudante de inovação social no Amani Institute e trainee de Gestão Pública no Vetor Brasil.

Permalink

– À querida Silvana Rabello

silvana

Neste fim de semana, perdemos uma pessoa muito querida. Silvana Rabello, além de ser  uma referência no meio psicanalítico e clínico, tinha uma grande importância em nossa história; tanto de nós, do Conexões Clínicas, como de outros colegas da psicologia. Me lembro bem quando tivemos nosso primeiro contato, quando ela apareceu para dar o último semestre de psicanálise, ainda na graduação. Ela foi cativante desde o início: uma mulher linda, serena, delicada, extremamente cuidadosa ao se dirigir ao outro, escutava atentamente a todos. Não demorou para criarmos uma boa afinidade com ela, e logo estávamos planejando fazer um grupo de estudos que ela coordenaria, com amigos próximos.

Foram deliciosos encontros, que se estenderam por sete anos; íamos em seu consultório, às vezes em sua casa, onde ela nos ajudava generosamente. Ela conseguia fazer o estudo de Lacan ser algo leve, talvez por poder nos conduzir por atalhos, dando muita coisa “mastigada” para nós, como uma mãe faz; ou talvez fosse por conseguir extrapolar a teoria, nos brindando com exemplos de sua vasta experiência clínica. Ela falava com tanto entusiasmo de seus pacientes autistas, sensível aos menores sinais de evolução da criança.  Isto sem mencionar as articulações que fazia com o I Ching, que ela tanto gostava e conhecia, falando sobre a importância da respiração, da meditação, do acaso e da impermanência, sempre em um tom de voz baixo, humilde e preciso. Quando levávamos as ideias da esquizoanálise para o grupo de estudos, Silvana nos estimulava a pensar ainda mais, a ir mais a fundo; chegou até a organizar uma palestra para nos ajudar no assunto. Ao longo desse período, pudemos estreitar os laços e compartilhar muitas histórias de vida. Um carinho enorme que nutríamos por ela e vice-versa.

Silvana foi também nossa supervisora. Era aquela espécie de mestre a quem se recorre, alguém que está disponível para lhe ajudar de modo ético, generoso e alegre. Não é possível dizer da sua importância com palavras. Não estaríamos aqui se não fosse por ela. Silvana acompanhava todos os momentos especiais de nossas vidas, desde a entrega do diploma em psicologia, o casamento de um de nós, na banca da dissertação do mestrado, até o nascimento de um filho;  pedíamos conselhos, e ela nos incentivava a ser sempre melhores. Silvana nos acolheu como estudantes, amigos, parceiros, filhos, tudo meio misturado. Uma luz que passou por nós e que servirá de inspiração para seguirmos nossas vidas.

Vai ser muito difícil não tê-la mais por perto. Sua presença será muito sentida, e deixa uma sensação ambivalente de que aproveitamos muito de sua compainha, mas que ainda tínhamos muito o que desfrutar…

 

Muito obrigado por tudo, Sil!

 

Bruno Mangolini, Tomás Bonomi e Bruno Espósito.

 

 

Permalink

– Pesquisa de Harvard examina do que dependem a saúde e a felicidade

As pesquisas de cunho positivista tendem a recortar uma problemática e avaliá-la em um curto espaço de tempo. Essas pesquisas são hegemônicas no mundo ocidental pois são metodologicamente acessíveis e não necessariamente custosas para serem financiadas. De quebra, tem ampla aceitação midiática. Uma revista lança uma reportagem: “a ciência finalmente descobre que o ovo é responsável por doenças graves” e, alguns meses depois uma nova reportagem “cientistas desvendam que o ovo é fundamental para uma vida saudável, ao contrário do que se imaginava”. Assim como nós, você deve ter tido vontade de comprar as duas revistas. No entanto, talvez essa metodologia científica não seja a mais indicada para responder a questões complexas como “o que faz bem à saúde” ou “o que de fato nos torna mais felizes”.

A Universidade de Harvard, através de várias gerações de pesquisadores, está produzindo uma pesquisa que já dura 75 anos com o objetivo de explorar todos os fatores possíveis associados à saúde mental e física. Foram selecionados dois grupos de centenas de pessoas, um deles de estudantes de Harvard da época próxima à eclosão da II Guerra Mundial, e outro de moradores suburbanos em situações de vulnerabilidade, todos eles sendo avaliados ano a ano. Como é de se imaginar, a pesquisa é extremamente complexa e cara, seus resultados levam um enorme tempo para serem obtidos (grande parte dos primeiros pesquisadores já faleceu sem ter ideia desses resultados, por exemplo), mas hoje já é possível um olhar retrospectivo para a vida dessas pessoas, atualmente na casa dos 90 anos de idade, e dizer quais os fatores que mais se destacaram para produzir uma vida e uma velhice mais saudável e realizada.

A novidade é que, embora tenham sido coletadas informações as mais variadas, como amostras de sangue, histórico familiar, sucesso profissional e financeiro, etc., a única conclusão obtida realmente confiável foi a de que bons relacionamentos nos mantém mais felizes e saudáveis. Nosso nível de colesterol, os números de nossa conta bancária, a quantidade de amigos que temos nas redes sociais, enfim, tudo isso sucumbe frente à constatação de que precisamos de bons relacionamentos interpessoais, sejam eles amorosos, de amizade ou familiares, para nos apoiarmos mutuamente, o que constitui a dimensão mais importante no enfrentamento das dificuldades físicas e psicológicas.

A solidão é em geral deteriorante, assim como relacionamentos distantes ou afetivamente conturbados, de modo que a qualidade da relação é o que mais vale. Em suma, é o amor o que mais importa, um dos sentimentos ao mesmo tempo mais básico e complexo de nossas vidas. Se superarmos o desafio de manter relacionamentos sólidos e afetivamente consistentes, tenderemos a viver uma vida melhor; no entanto, esbarramos o tempo todo diante da dificuldade que exige sustentar esses relacionamentos. Não é difícil de imaginar quantos empecilhos colocamos a nós mesmos frente a possibilidade de viver uma vida mais amorosa, mais conectada e interdependente –  hoje esta pesquisa de Harvard nos mostra a necessidade de atentarmos a isso. Nada além do que a filosofia, o saber popular ancestral e o próprio Freud (“precisamos amar para não adoecer“) haviam apontado anteriormente, mas trata-se também de uma questão que ganha relevo em nossa vida contemporânea – repleta de virtualidades, intensidades efêmeras e aplicativos todo-sabedores que dizem permanentemente o que você tem que ser e fazer.

Para saber mais da pesquisa de Harvard, assista o vídeo acima e/ou confira a reportagem a seguir: https://www.inc.com/melanie-curtin/want-a-life-of-fulfillment-a-75-year-harvard-study-says-to-prioritize-this-one-t.html.

 

Bruno Espósito, Bruno Mangolini e Tomás Bonomi.

16 maio 2017
Permalink

– Homenagem a Manoel Tosta Berlinck (27/05 no CEP).

No meio acadêmico, Manoel Berlinck era muito conhecido,  mas talvez a maioria de vocês nunca tenha ouvido falar dele. Seu currículo é extenso, com destaque para seu importante papel na sociologia como professor na Unicamp e FGV,  e na psicanálise como clínico e cofundador – ao lado de Pierre Fedida – de uma grande área de pesquisa chamada Psicopatologia Fundamental.

A associação universitária de pesquisa em Psicopatologia Fundamental compõe diversos grupos de pesquisadores espalhados pelo Brasil e por alguns outros países do mundo, tais como Chile, Argentina, México, Portugal, França e etc. Manoel foi presidente desta instituição até os últimos dias de sua vida, um presidente apaixonado e orgulhoso,  que a tratava como um filho.

Dentre os diversos feitos da associação está a realização de diversos congressos internacionais de psicopatologia fundamental, o último realizado em João Pessoa – logo após o seu falecimento – e a edição da Revista latino-americana de Psicopatologia Fundamental, referência no meio psicanalítico.

No extinto laboratório de psicopatologia fundamental da Universidade PUC-SP, orientou mais de 85 teses e dissertações de doutorado e mestrado ao longo de 21 anos. Foi lá que o conheci e convivemos de perto por apenas 3 anos. No epicentro da academia, o laboratório de psicopatologia fundamental surgia, pelo menos para mim, como um oásis, pois não só permitia como incentivava a produção de conhecimento científico através do trabalho clínico. O professor Manoel parecia desafiar a lógica acadêmica quantitativa para dar lugar a um oxigenado espaço de pensamento e discussão, onde conviviam diversas vertentes da psicanálise e outras disciplinas do conhecimento.

O editorial da última edição da Revista Latino-americana de PsicopatolCapa Latino set 2016ogia Fundamental foi escrito por seu amigo Plínio Prado. Recomendo fortemente a leitura do belo texto: “Ao Manoel Berlinck que eu conheci“.

Esta mesma edição contém uma interessante entrevista com Elisabeth Roudinesco, realizada pela psicanalista Betty Milan. A entrevista gira em torno da biografia de Freud, recém escrita pela autora francesa.

Ainda nesta edição da revista, encontra-se um artigo de quem vos escreve em co-autoria com o Professor Manoel Berlinck – “O Mau cheiro como estratégia de sobrevivência” – derivado de minha dissertação de mestrado. Read More

Permalink

– A Psicologia do Consumidor e suas implicações (por Gabriel Maschião da Costa)

images_tv

A cada momento que precisamos adquirir um produto, temos muitas escolhas possíveis. A quantidade de anúncios e propagandas aos quais somos expostos diariamente é enorme. Se hoje há um comportamento altamente incitado, tanto pela esfera pública quanto pela esfera privada, é o comportamento de consumo.

Diante de uma variedade enorme de opções, racionalizar sobre todas as varíaveis que envolvem o processo de escolha de um produto (ex: cor, preço, sabor, tamanho, durabilidade etc) torna-se uma atividade muito complexa e por vezes irrealizável na vida prática. Por esse motivo, muitas vezes criamos atalhos mentais para tomar essas decisões de um modo mais eficiente. Um dos campos de estudo da Psicologia do Consumidor aborda justamente esta articulação entre a complexidade de uma decisão de consumo e a necessidade de recorrer a padrões de comportamento que facilitem logo_pepsiesse processo.

 Já reparou como as propagandas de relógios analógicos sempre apontam para o horário por volta das 10h10 ou das 3h50? Essa regularidade no horário não é mera coincidência. Estudos indicam que tendemos a atribuir características humanas aos produtos que vamos comprar (Govers, 2004). De tal modo que um relógio sorridente tende a influenciar no processo de escolha. Read More

Permalink

– Quando acaba um Acompanhamento Terapêutico ?

sombras at

O acompanhamento terapêutico (A.T.) surge como dispositivo clínico no Brasil na esteira da reforma psiquiátrica. De início chamados de “auxiliares psiquiátricos”, tratavam majoritariamente de pacientes psicóticos crônicos, e foram figuras importantes no processo do fechamento das instituições psiquiátricas e na criação de um novo sistema básico de atenção em saúde mental.

Passados quase 40 anos, muito se modificou na área, sendo que as as demandas por A.T.s aumentaram significativamente. Atualmente, essa modalidade de tratamento é solicitada para atender, além de uma multiplicidade de casos de psicopatologias graves, pacientes idosos com questões afetivas significativas (muitas vezes atreladas à algum tipo de demência), passando por acompanhamentos específicos com dependentes químicos, até uma inserção já bastante difundida no processo de inclusão escolar com crianças e adolescentes.at Apesar deste aumento significativo do escopo do A.T, algo bastante comum e definidor deste trabalho refere-se à uma clínica sempre bastante complexa e desafiadora. Ao toparmos um trabalho deste,  sabemos que as possibilidades de transformações importantes ou até mesmo pequenos ganhos são discretos. Qualquer coisa diferente disso acaba sempre causando frustração nos terapeutas. Além disso, pensamos que ao aceitar acompanhar uma pessoa nesta situação, muitas vezes estamos fazendo uma escolha radical de iniciar um atendimento que realmente nunca teria um fim ou um resultado final.

Podemos nos indagar: até quando vai o atendimento de um menino com espectro autista grave na inserção escolar? São trabalhos extremamente difíceis, que beiram o heroísmo, em que o A.T. realiza um verdadeiro malabarismo entre a família, a escola e a criança. Tal cenário permitiria um trabalho de anos, ou mesmo décadas; no fundo seria um trabalho sem fim. Na prática, ele dura o tempo que a instituição escolar ou a família conseguem sustentar as diferenças destas crianças e adolescentes com seus colegas de classe. Read More

Permalink

– A Saúde Mental no Hospital Geral: os desafios da clínica ampliada (por Bruno Bengel)

 

consulta antiga

Quando ficamos doentes, experimentamos uma condição existencial incômoda. O corpo impõe seus limites e expõe nossa vulnerabilidade orgânica, acarretando modos de subjetivação singulares. Contudo, essa experiência é comum à todos nós, pois ninguém deixa de adoecer. A busca pela restituição do estado normal pode se dar de diferentes formas nos dias de hoje, mas a procura por atendimento médico em pronto-socorro (PS) continua em alta.

Ao procurarmos por assistência médica, supomos que o profissional será capaz de aliviar nosso sofrimento e nos curar da enfermidade. Temos a crença de que sua prática está subsidiada por saberes e técnicas acumuladas ao longo da história das ciências médicas. Preferencialmente, buscamos um hospital por compreender este local como sendo portador dos equipamentos tecnológicos mais avançados, além de poder contar com especialistas das mais diversas áreas.

Ao adentrarmos no estabelecimento hospitalar, entregamos nossos corpos ao exame exterior, convictos de que a promessa tácita de não mais sofrer ou sentir dor será cumprida. O médico, detentor do todo-saber, objetifica com o olhar, esquadrinhando o corpo para poder isolar dele as patologias. Read More

Permalink

– Os devaneios de Thom Yorke (ou o videoclipe vivido como um sonho)

Uma das bandas mais ousadas e criativas dos últimos tempos, o Radiohead lançou um videoclipe ano passado da música Daydreaming (devaneios ou sonhos diurnos), sob direção do prestigiado Paul Thomas Anderson. Eis a versão original do trabalho:

 

Até aí, temos um videoclipe aparentemente esquisito, no qual é possível captar alguma sensação de inquietude e angústia do protagonista, mas nem acompanhando a letra da música apreende-se um verdadeiro sentido. O que esse videoclipe representa?

Estudando relatos pessoais de Thom Yorke (vocalista do Radiohead e personagem do videoclipe) e outras tantas pesquisas feitas por fanáticos da banda, um outro fã (Rishi Kaneria) fez este outro video dissecando o sentido por trás de Daydreaming: Read More

Permalink

– É carnaval – e daí?

confete

O Carnaval coloca para a sociedade uma espécie de imperativo: é o momento de ser feliz, de não trabalhar, de ir viajar ou de ficar em casa, ter algum tempo digno em quantidade.

Quer você goste ou não de Carnaval, seu acontecimento é algo que modifica o estrato social, que faz com que ele se dobre e se rebata sobre ele mesmo, de modo mais intenso. Essa dobra permite passar outros fluxos, promover encontros dos mais potentes, incitar ideias novas, paixões, amores. Permite também que, por um certo período, consigamos ser um pouco mais tolerantes – apesar de ainda vermos muita violência, pelos mais diversos motivos, desde pessoas que talvez não suportem tanta diferença, ou que tenham dificuldades em compartilhar o palco, ou por não conseguirem conviver com limites mais alargados.

Temos muita libertação no Carnaval – e isso é maravilhoso. Mas é importante lembrar das minorias que gritam o quemCarnaval nas ruas: as minorias que gritam e chacoalham o Carnaval: as mulheres, os negros, os pobres, a comunidade LGBT, os loucos que frequentam e os que não frequentam os serviços de saúde mental. Esse parcela enorme da sociedade, é aquela que pode agora gritar, mas, como já disseram, passar o ano amargando sofrimento. Que nossa memória, que já é curta historicamente, possa nesse momento de amnésia se lembrar de pelo menos disso, do respeito à alteridades que constitui a verdadeira alegria coletiva. Read More

Permalink

– A ‘Deepweb’ e o inconsciente freudiano

matrix

Talvez você já tenha escutado adolescentes ou pessoas particularmente interessadas no mundo da internet comentarem a respeito de uma tal de deepweb (internet profunda). O tema é intrigante, cheio de polêmicas e costuma despertar uma tremenda insegurança ao imaginarmos os efeitos práticos que essa rede subterrânea pode provocar em nossas vidas.

A deepweb corresponde à todo o conteúdo da internet que não pode ser acessado pelos meios aos quais nos habituamos, como os navegadores Chrome e Explorer, ou pelos sites de busca convencionais como o Google ou o Yahoo. Para acessá-la é preciso um navegador apropriado (Tor) e a utilização de códigos específicos, de modo que tanto seu computador quanto o site acessado mantenham-se criptografados. Essa complexidade de acesso, que também pode envolver um certo risco para amadores, acaba restringindo bastante seu público e deixando o “cidadão comum” alienado da existência desse gigantesco mundo subterrâneo.

Enquanto que na superfície da internet as autoridades (ou mesmo o Google, o YouTube e o Facebook) agem retirando conteúdos impróprios e denunciando violações de direitos autorais, na deepweb encontra-se de tudo. Uma infinidade de livros e músicas para baixar gratuitamente, páginas de militância política de países com forte censura (como China e Venezuela), documentos governamentais secretos (a WikiLeaks de Julien Assange começou ali), um livre comércio de armas, drogas ou documentos falsificados e, por fim, a pornografia está colocada em todos os níveis e formas, inclusive pedofilia. Como abriga desde conhecimento e militância política até práticas francamente criminosas, os internautas mais familiarizados com a deepweb costumam dizer que em si ela não é boa nem má, depende do uso que cada pessoa faz dela. Read More

17 nov 2016
Permalink

– Alguns comentários sobre o mentiroso compulsivo.

pinoquio

Quem nunca cruzou com uma pessoa que mente insistentemente? No senso comum, eles são caracterizados como indivíduos de mau caráter ou de má índole. Seriam pessoas que mentem para ocupar um lugar de destaque e, ao fazê-lo, não sentem o mínimo de culpa em machucar e passar por cima dos outros.

Muitas pesquisas afirmam que a mentira seria inerente ao comportamento humano e que todas as pessoas mentiriam centenas de vezes por dia.  Segundo Christopher Bollas,  um conceituado psicanalista de tradição inglesa, a mentira da pessoa comum teria a função de proteger a si mesmo ou um terceiro de uma verdade dolorosa ou de uma revelação embaraçosa. Além disso, podemos conscientemente mentir para infligir dor e crueldade à outrem.

Já os mentirosos compulsivos ou – na nomenclatura de Bollas – os mentirosos psicopatas mentem por outros motivos. A mentira teria a função de colocar a vida em um vazio, neste sentido o mentir seria praticamente igualado ao viver. Ele acredita que só por meio da mentira é que se pode vivenciar um sentimento de realidade pessoal. Em outras palavras, o mentiroso compulsivo experimenta um sentimento de tamanho vazio afetivo que a mentira serviria para humanizar sua vida, uma vez que caminha sempre nas bordas de um processo de desumanização. Read More

Permalink

– Open Dialogue approach: um novo modelo de tratamento para a psicose

open-dialogue

 

Desde os anos 1940 e 50, o tratamento a pacientes em grave sofrimento psíquico, em especial psicóticos, vem desenvolvendo-se em pelo menos dois grandes eixos: o da humanização e o da psicofarmacologia.

A vertente da humanização, na qual se incluem as estratégias de reabilitação psicossocial, a garantia dos direitos humanos, a psicanálise e as demais curas pela palavra, bem como aportes sociológicos e antropológicos, advém do contexto europeu pós-segunda guerra mundial, quando se constatou que a situação dos manicômios era praticamente idêntica àquilo que acabara de envergonhar o mundo: os campos de concentração, que retinham as pessoas em condições degradadas, sob violência institucional, impossibilitando a vida material e subjetiva.

No contexto sul-americano, as mudanças começaram a ser empreendidas a partir dos anos 1970 e 80. As ditaduras militares haviam aprofundado o sofrimento dos pacientes psiquiátricos, diante do descaso com os direitos mais fundamentais, e muitos militantes políticos foram “presos” nesses hospitais, conhecendo de perto o que era essa realidade. Com a redemocratização, tornou-se fundamental intervir em prol de um cuidado humanizado. Read More

Permalink

– Psicanálise e Política. Entrevista com Christian Dunker.

Inserido no site PsiBr, o canal de discussão Psicanálise e Política entrevista psicanalistas renomados sobre fenômenos políticos, sociais e culturais na atualidade. O último entrevistado foi o professor catedrático da USP, Christian Ingo Lenz Dunker.

A entrevista gira em torno do papel que o psicanalista teria na sociedade, considerando o momento de grande efervescência política que vivemos no país, onde as discussões se mostram extremamente polarizadas.

Se apoiando no livro de sua autoria: “Mal-Estar, Sofrimento e Sintoma: uma psicopatologia do Brasil entre muros” (2015), o professor discute um modo de subjetivação contemporâneo baseado na metáfora do condomínio fechado, ou seja, na lógica da exclusão e do medo.

Uma passagem particularmente interessante da entrevista relaciona a democracia com o método da associação livre, ressaltando que ambas privilegiam radicalmente a fala livre, a palavra.

Num terreno geralmente pouco explorado pelos analistas, fica a sugestão para aqueles que se interessam pelos cruzamentos entre psicanálise e política.

Tomás Bonomi, Bruno Espósito e Bruno Mangolini.

Permalink

– O (des)conforto do silêncio (por Lilia Standerski)

“Sabemos muito mais do que podemos falar, entretanto quase chegamos a acreditar que o que falamos é tudo o que sabemos.”

                                                                     Yi Fu Tuan

 

Você entra no elevador, tem outra pessoa: silêncio. Você é o primeiro a chegar numa festa, não conhece muito bem o aniversariante: silêncio. O professor pergunta algo durante a aula, ninguém responde de primeira: silêncio. Uma criança faz uma pergunta, você não sabe a resposta: silêncio.

Em fevereiro participei de um encontro promovido pelo Instituto Alana e pelo projeto Território do Brincar, foi o primeiro de uma série chamada Diálogos do Brincar. Na ocasião Renata Meirelles e David Reeks falaram sobre o projeto e sobre o brincar. Uma pessoa perguntou se eles tinham visto diferenças entre o brincar na cidade e no interior e Renata respondeu: “A maior diferença que percebemos é que nas brincadeiras da cidade se fala mais. Há uma necessidade de falar.”

Essa fala está ecoando em mim desde então. Comecei a prestar mais atenção no quanto as crianças falam em suas brincadeiras na Ubá, e mais ainda, no quanto os adultos falam com as crianças. Quando estão brincando é comum os adultos perguntarem o que estão fazendo e se as crianças não respondem, vão dando opções. Se estão comendo, puxamos assuntos, não paramos de fazer perguntas. Será uma necessidade realmente necessária, a de falarmos tanto? Read More

Permalink

– A vida e a revolução de Nise da Silveira (por Daniel Taubkin)

nise-images

Recentemente assisti a um belo filme, “O Coração da Loucura”em que a protagonista é indubitavelmente uma das mulheres mais notáveis da história do país.

Trata-se da médica psiquiatra Nise da Silveira (que no filme é interpretada pela atriz Gloria Pires). Sua trajetória se estende brilhantemente pelo século XX, de ponta a ponta, pois Nise nasceu em 1905 nas Alagoas e faleceu em 1994, no Rio de Janeiro. Seu pai era diretor do Jornal de Alagoas. Sua formação básica foi num colégio de freiras em Maceió; depois foi à Bahia e de 1921 a 1926 cursou a Faculdade de Medicina.

Sua vocação para a singularidade, exceção e luz própria já se manifesta aí onde é a única mulher numa turma de 157 estudantes. Está entre as primeiras mulheres a se formar em Medicina. Casou-se com o sanitarista, colega de turma, Mario Magalhães da Silveira. Em 1927, com a morte do pai, o casal muda-se para o Rio de Janeiro.

Nos primeiros anos na capital envolve-se com o meio artístico e literário da época. Seis anos depois estagia na clínica neurológica de Antonio Austregesilo. Ainda em 1933 é aprovada num concurso e passa a trabalhar no Serviço de Assistência a Psicopatas e Profilaxia Mental do Hospital da Praia Vermelha.nise_da_silveira94278

Dois anos depois, no periodo da Intentona Comunista, é denunciada por uma enfermeira por posse de livros marxistas o que acaba a levando para a prisão por um ano e meio. Aqui podemos ver que se tratava de perseguição a uma mulher com ideais e ideias próprias. Só o fato de possuir os livros não seria motivo para ficar presa por um período de 18 meses! E assim, mesmo depois em liberdade, durante o período autoritário do Estado Novo, por motivos políticos foi afastada do serviço publico e passou a viver na semi-clandestinidade. Read More

Permalink

– DELEUZE: Obra completa para download

deleuze

Deleuze foi um dos maiores pensadores do século XX. Sua obra é repleta de conceitos inovadores que se entrecruzam para criar mais do que uma teoria, uma postura de vida. Através da releitura absolutamente original de autores como Bergson, Nietszche, Espinosa Proust, entre outros, Deleuze foi capaz de romper com o pensamento hegemônico e suas ideias atravessam as artes, a psicanálise, a filosofia, a psicologia, a literatura, o cinema. Não é à toa que Foucault disse que um dia o século será Deleuzeano.

Vasculhamos a internet em busca de seus livros e após algum esforço acreditamos ter conseguido reunir todos, inclusive um inédito. Compilamos a obra de Deleuze cronologicamente, visando facilitar a localização no seu conjunto. Eis o resultado, bom divertimento.

 

Empirismo e Subjetividade  (1953)

Instinto e Instituições (1955)

Nietzsche e a Filosofia (1962)

 A Filosofia Crítica de Kant (1963)

Proust e os signos (1964)

Nietzsche (1965)

Bergsonismo (1966)

Presentación de Sacher-Masoch (espanhol) (1967)

Espinosa e o Problema da Expressão (1968)

Diferença e repeticao (1968)

Lógica do Sentido (1969)

Espinosa – filosofia prática (1970)

O Anti-Édipo com Félix Guattari (1972)

Kafka – para_uma_literatura_menor com Félix Guattari (1975)

Diálogos com Claire Parnet (1977)

Mil Platôs – Capitalismo e Esquizofrenia, vol. 01 com Félix Guattari (1980)

Mil Platôs – Capitalismo e Esquizofrenia, vol. 02  com Félix Guattari (1980)

 Mil platôs – Capitalismo e Esquizofrenia, vol. 03 com Félix Guattari (1980)

 Mil Platôs – Capitalismo e Esquizofrenia vol. 04  com Félix Guattari (1980)

 Mil Platôs – Capitalismo e Esquizofrenia vol. 05 com Félix Guattari (1980)

Francis-Bacon-Logica-Da-Sensação (1981)

Cinema – imagem movimento (1983)

 Cinema 2 – Imagem e Tempo (1985)

Foucault (1986)

O ato de Criação (1987)

A dobra: Leibniz e o Barroco (francês) (1988)

Conversações (1990)

O que é a filosofia com Félix Guattari (1991)

L’Epuisé (inglês) (1992)

Crítica e Clínica (1993)

Derrames entre el capitalismo y la esquizofrenia: curso (espanhol)  (2005)

A Ilha Deserta e outros textos (2010)

 

Bruno Mangolini, Bruno Espósito e Tomás Bonomi

Permalink

– O bebê e a conquista do próprio corpo (por Talita Pryngler)

08-bebe

Natureza, relação, movimento, gesto e palavra. São esses os caminhos que o bebê faz nos seus primeiros anos de vida. Esse desenrolar traz também ao adulto que se ocupa dele a possibilidade de se refazer com ele. Isso acontece toda vez que um bebê nasce e é colocado na posição de sujeito.

Esse trajeto começa já na primeira mamada. O bebê tem fome, precisa mamar para sobreviver, e encontra no reflexo de sugar a possibilidade de fazer parar a intensidade que lhe acomete: a fome. Nesta primeira mamada, recebe leite (colostro), colo, pele, cheiro e a voz da mãe. Dali a algumas horas, quando novamente for tomado pela sensação de fome, ele buscará encontrar, através do seu choro, tudo aquilo que recebeu junto com o leite, o outro. Este outro faz marca, traz contorno e organiza as intensidades enlaçando esse bebê numa cadeia de sentidos.

Este pequeno corpo pode então, cada vez mais, vir a ser para além das manifestações biológicas, “subvertendo” o instinto, inaugurando um caminho pulsional. O corpo, enquanto natural, é transformado pela pulsão e isso só acontece se houverem trocas corporais entre o bebê e o adulto que dele se ocupa. Ele precisa ser tocado tátil, visual e olfativamente e, ao mesmo tempo, ser sonhado, amado e odiado por seus pais. Através dessas trocas haverá a passagem de um funcionamento da ordem da necessidade para a ordem da demanda. Estes intercâmbios farão marcas constituindo o mapa dos percursos pulsionais e suas manifestações. Podemos, então, pensar a constituição deste corpo para além do biológico, que será habitado por um sujeito. Read More

Permalink

– Precisamos falar sobre os nomes dos remédios psiquiátricos.

prozac

Quem quer ter sucesso em vendas, sabe que uma das armas mais poderosas é dar ao seu produto um nome que gere o máximo de expectativas positivas no consumidor, criando a ideia de que algo se solucionará instantaneamente. Costuma funcionar assim com alimentos, produtos de limpeza, revistas de notícias e até com remédios.

O caso da indústria farmacêutica com relação às medicações psiquiátricas é particularmente curioso. Se por um lado essas empresas tentam revestir-se em um Exodusdiscurso de cientificidade, ou seja, de que estudos rigorosos atestam a eficácia desses remédios e isso seria per se a justificativa para sua prescrição e consumo, por outro lado parece ser o terreno onde mais se exploram as expectativas do consumidor ou das famílias em relação à medicação. Os nomes-fantasia (nomes que são dados pela Farmacêutica em cima do nome do princípio-ativo) mais do que nitidamente visam despertar fantasias de cura ou de potência no paciente (e quem sabe até nos próprios profissionais da saúde), algo que supera o efeito estritamente químico da medicação, mas que não deixa de ter um efeito direto na própria doença – mesmo que por um tempo determinado. Read More

Permalink

– Gloomy Sunday: A música mais triste do mundo

por Carolina Galvão de Oliveira*
images

 

Há 47 anos, em 11 de janeiro de 1968, o pianista húngaro Rezsõ Seress se atirava de uma janela em direção à morte. Seu misterioso suicídio passou a integrar a lista de mais de 100 casos de mortes relacionadas à música Gloomy Sunday, ironicamente composta pelo próprio Seress em 1933.

Com o título de “Vége a világnak”, ou “O mundo está acabando”, a música foi lançada na Hungria da década de 1930 em meio à Grande Depressão, que assolava de fome e pobreza o país. A letra original é uma referência ao desespero da população nesse período de guerra. No entanto, a versão que se tornaria ainda mais famosa é a do poeta Lászlo Jávor, que a reescreveu em 1936, supostamente após o término de um tórrido relacionamento.

Nessa versão, intitulada “Szomorú vasárnap”, ou “Triste domingo”, Jávor canta um triste lamento em torno da morte da pessoa amada e faz um suplício desesperado para reencontrá-la em outro mundo. Foi na voz de Billie Holiday que, em 1941, a música se popularizou internacionalmente, rebatizada de “Gloomy Sunday” ou

foto: John Eskey

“Domingo sombrio”. O primeiro caso de morte associada à Gloomy Sunday que se tem notícia aconteceu em 1936, quando Joseph Keller, de Budapeste, cometeu suicídio e deixou uma carta escrita a próprio punho que continha frases da música. Após este primeiro caso, outros 17 se seguiram e, embora nunca tenha sido possível confirmar que os casos de suicídio registrados realmente foram influenciados pelas mensagens melancólicas de Gloomy Sunday, a música passou a ser conhecida mundialmente como “A música húngara do suicídio”.

Read More

Permalink

– A Ritalina e o “doping” dos vestibulandos

Quem convive ou atende adolescentes em fase de vestibular já sabe bem o clima que se estabelece nesta época do ano em que estamos. A ansiedade toma conta do vestibulando e da própria família, a expectativa das provas e dos resultados corroem a paciência e a sensação de estar sendo testado toma conta de tudo.

A lógica da competitividade, dos perdedores e vencedores, vem impondo-se de tal maneira na vida dos vestibulandosadolescentes premio que a analogia mais pertinente a ela talvez seja com as Olimpíadas esportivas: treinos descomunais, sacrifício dos prazeres da vida, imagem mundial de êxito ou fracasso e… doping.

Para atingirem um “a mais” no desempenho e eliminarem os mal-estares de uma rotina atlética de estudos, os vestibulandos vem gradativamente aumentando o uso de psicofármacos, em especial os da classe do metilfenidato (Ritalina, Concerta, etc.). São substâncias estimulantes que geram um aumento da atenção e diminuem a sensação de cansaço, fazendo com que o jovem sinta-se produtivo por um período significativamente maior de tempo. Read More

6 nov 2015
Permalink

– Vida clandestina (por Lia Novaes Serra)

enfermeira silencio

Hoje temos a honra de ceder nosso espaço para Lia Novaes Serra. Lia é psicanalista, mestre e doutoranda pelo Instituto de Psicologia/USP.

***

Valorizar a vida, legalizar o aborto. De início, nossa petição pode parecer contraditória. Afinal, compreendemos habitualmente que aborto significa a expulsão voluntária ou involuntária de um feto antes do tempo. Ou seja, nessa acepção, socialmente partilhada, aborto significa o fim da vida. Mas, e se invertêssemos a proposição, e se afirmássemos que defender a legalização do aborto significa não a interrupção, mas a continuidade da vida.

É a vida que num curto espaço de tempo, com o susto da gravidez indesejada, e num completo estado de desorganização psíquica, encontra na clandestinidade a única saída. É a vida que encara o submundo das clínicas abortivas; introduz objetos perfurantes em seu próprio corpo; provoca hemorragias; faz uso de medicações sem prescrição; e, o mais grave: coloca em risco à própria vida para cessar uma gestação. Ainda assim, ela tem inúmeros motivos para realizar o aborto. É a vida, pela continuidade da vida.

Sem apoio ou proteção do Estado, a vida se torna irresponsável, puta, assassina. Se rica, tem, provavelmente, um aborto mais “seguro”. Paga à vista o procedimento em alguma clínica de alto padrão. Se pobre, a situação é radicalmente diferente. A cada nove minutos perdemos uma vida, pelo mundo afora, por consequência de um aborto induzido e mal sucedido. São feitos com agulhas, chás ou misoprostol – ainda vendido no mercado paralelo por diversas indústrias farmacêuticas. A diferença de classe aqui se faz presente. É a desvalorização da vida da Jandira, da Tatiana, da Elisângela e de tantas outras.

Contudo, se sobrevive e, por sorte, o dano físico for insignificante, ainda sim, a vida precisa conviver com o trauma psíquico. E o pior tratamento ao trauma é silenciá-lo. É preciso declarar com todas as letras: a aprovação do PL 5069 é um atentado contra a vida. Além de aumentar exponencialmente o número de mortes, de danos físicos e psíquicos, quer manter calado o sofrimento já existente de tantas vidas. Por isso, a luta pela não aprovação desse projeto de lei e, sobretudo, a luta pela legalização do aborto. Em favor da vida.

Obrigada pelo espaço carinhosamente oferecido, Conexões Clinicas. #agoraéquesãoelas.

 

 

4 nov 2015
Permalink

– 25 anos da Declaração de Caracas: um marco histórico para a Saúde Mental

declaração caracas

Neste ano comemoram-se 25 anos da Declaração de Caracas. Foi através dela que as organizações internacionais legitimaram e deram sustentação institucional para os movimentos reformistas em Saúde Mental, que no Brasil teve início com o Encontro dos Trabalhadores da Saúde Mental de Bauru, em 1987, dando origem à Luta Antimanicomial.

A Declaração de Caracas é considerada um marco histórico para a saúde mental pois apontou para a necessidade de redirecionamento dos tratamentos psicopatológicos e propôs uma mudança no financiamento em saúde mental.

Sobre a Declaração:

Em 1990, a Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS) e a Organização Mundial da Saúde (OMS) realizaram a Conferência Regional para a Reestruturação da Atenção Psiquiátrica na América Latina no contexto dos Sistemas Locais de Saúde (SILOS). Na ocasião, debateram sobre a insuficiência do modelo psiquiátrico tradicional, que não permitia uma atenção descentralizada, comunitária, participativa, contínua e preventiva.
Read More

15 out 2015
Permalink

– Quando parei de fumar (por Luisa Destri)

4452239-cigarro

Passei algum tempo me perguntando quando eu poderia dizer que parei de fumar. Só me atrevia a contar que estava sem fumar, ou estava parando. A sensação de fragilidade era imensa: a qualquer momento eu poderia escorregar, ceder a uma tragada – e então, no encontro seguinte com aquela pessoa a quem eu havia contado a novidade, seria o caso de admitir, cabisbaixa, com um cigarro na mão, Pois é, eu tinha parado, mas agora voltei. Nessa mesma altura, porém, quando eu estava em um grupo de amigos fumantes, ficava ansiosa para que percebessem espontaneamente a mudança. Na minha fantasia, diriam, surpresos, Nossa! Você não está fumando! Nos encontros reais, jamais suportei a espera, e infalivelmente me adiantei, Vocês não repararam que eu não estou fumando?

O primeiro sinal do limite que eu procurava veio de um ex-fumante, Quando você parar de contar os dias em que está sem cigarro, aí acredito que você parou, ele disse. Fiquei um pouco enfurecida com a falta de confiança em mim, e quis me justificar: Isso não quer dizer nada!, você sabe que sempre fui assim, de marcar as datas, e infelizmente sou uma pessoa que sabe fazer contas. No meu mais fundo, porém, uma delicada intuição nascia, querendo lembrar a data da minha primeira paixão. Estava certa de sabê-la… (Tão boa com o calendário, eu no entanto não lembrei.) Read More

Permalink

– O papel do olfato no desenvolvimento da civilização.

nariz1

De todos os sentidos, o olfato provavelmente seja o menos falado, discutido e retratado, tanto no meio científico quanto no literário. Sim, é verdade que existem grandes produções dedicadas ao tema como o célebre livro “O perfume” (1985), do escritor alemão  Patrick Süskind, adaptado ao cinema em (2006) e a produção nacional “O cheiro do ralo” (2007).

Para muitos, os cheiros não tem grande destaque em suas vidas, a não ser pelas escolhas de produtos cosméticos ou associações ao paladar e, sobretudo, pelo incômodo provocado pelos maus cheiros (suor, lixo, excrementos, esgoto e etc).

Algumas pessoas associam os cheiros à memórias; dessa forma, ao sentirem um determinado cheiro, relembram de episódios que pareciam estar há muito esquecidos. Seria como se o cheiro possuísse alguma forma de inscrição arcaica na subjetividade. Read More

Permalink

– “Memórias de um Doente dos Nervos” (livro)

No início do séc XX, sujeitos excêntricos eram constantemente vigiados pelos olhos de uma sociedade altamente moralista e tradicional. Muitas vezes, comportamentos que desviassem do padrão eram sinônimo de ameaça para o sujeito que os praticava, com chances de viver até o fim da vida em um hospício e cair no absoluto anonimato. Antes de Freud, de qualquer modalidade de talking cure e da psicofarmacologia, quem conseguisse escapar ao poder asilar e produzir uma marca interessante no meio social e cultural era um sujeito raro.

Daniel Paul Schreber definitivamente foi uma dessas raridades. Até os 51 anos, Schreber era um renomado juiz em Leipzig (Alemanha), extremamente culto e pai de família, quando foi nomeado ao cargo de juiz-presidente da corte de apelação. Poucos dias depois começa a apresentar sinais de angústia e intensa insônia, e em seguida vivências alucinatórias, hipocondria, ideias de morte, culminando em uma longa internação (9 anos) na qual é diagnosticado com dementia paranoides.Livro Schreber

O momento a partir do qual Schreber “vira o jogo” é quando toda a vivência esquizofrênica que atravessava seu corpo dá lugar a um complexo delírio à respeito de que seria mulher de Deus. Embora o delírio seja de um conteúdo absurdo, ele deixa de tomar conta de toda a existência de Schreber, concentrando-se em um núcleo delirante e possibilitando assim o resgate de suas aptidões intelectuais, com as quais construiu uma autobiografia que é um verdadeiro tratado sobre a loucura de produção autoral: “Memórias de um doente de nervos”. Com as ideias contidas neste livro, Schreber sustentou perante um rigoroso tribunal que teria condições de gozar novamente de seu lugar social, sem a internação e a curatela do Estado. E teve êxito, pelo menos por alguns anos. Read More

Permalink

– Paixões alegres e tristes de Espinosa: um indício terapêutico?

spinoza2

Espinosa definia paixões como a afeccção que um corpo sofre por outro corpo. Mais precisamente, a modificação que um corpo tem em sua potência, sua capacidade de existir. O filósofo distingue paixão de ação pela causa: na primeira, quem determina a mudança de potência é o outro, há um outro corpo que causa uma modificação em mim; já na ação, eu é que determino a mudança na minha capacidade de existir.

Ele chamou de paixões tristes aqueles encontros que diminuem a potência, enfraquecem a capacidade de existir de algum corpo. Já as paixões alegres seriam as que aumentam a potência, que promovem um ganho existencial ao corpo. Estes conceitos de Espinosa levantam duas questões fundamentais: o que seria a potência de existir? E a segunda – e mais complexa -, o que faz sua potência aumentar ou diminuir?

Potência de existir, para Espinosa, é a capacidade de um corpo afetar e ser afetado sem alterar a sua natureza, ou seja, preservando as suas características essenciais. Um corpo capaz de ser afetado pelos encontros com outros corpos, capaz de transformar os outros, sem deixar de existir enquanto tal. No caso do ser humano, esta potência resume-se a três capacidades: sentir, pensar e agir.
frioJá  o aumento ou a diminuição da potência é absolutamente singular; o que para um corpo é nocivo, para outro pode ser benéfico. Inclusive não há uma regra geral para o mesmo corpo: um alimento pode fazer bem um dia, mas não significa que será sempre assim. Nosso corpo e nossa mente estão em constante mutação, fazendo com que o resultado de nossos encontros seja sempre potencialmente variável. Read More

Permalink

– Sugestão de site: theviennapsychoanalyst.at

logo_vienna

 

Há mais ou menos dois meses o pessoal do site austríaco  www.theviennapsychoanalyst.at nos escreveu perguntando se poderiam adicionar um link do conexões clínicas a sua página. Foi assim que tomamos conhecimento desse interessante portal de psicanálise.

A leitura do site vienense pode ser realizado em alemão ou inglês. Com design agradável e comunicação moderna, pretendem agregar diversas funções tais como: publicação de artigos, canal de rádio,  fórum, livraria, filmes, catálogo de jornais psicanalíticos e até mesmo um curioso antiquário com relíquias da história da psicanálise.

Uma vez por mês, publicam (na revista online) textos originais de psicanalistas ainda não consagrados, além de uma entrevista com o autor. Em julho de 2015 um dos texto publicados foi de nossa autoria: “O papel da pele na formação da subjetividade”.  Em novembro do mesmo ano acaba de publicar: Violências contemporâneas: de súbito, o ato. Convidamos os nossos leitores para conhecerem o site e lerem nosso artigo.

Tomás Bonomi, Bruno Espósito e Bruno Mangolini.

 

Permalink

– Psicanálise e neurociência

 

freud red

 

 

 

 

 

 

Sigmund Freud era neurologista de formação. Extremamente dedicado, visava alcançar alguma descoberta de impacto no campo científico, conforme assinalam as biografias a seu respeito. Chegou a realizar alguns trabalhos importantes na sua área e até aventurou-se a pesquisar os efeitos terapêuticos da cocaína, da qual se sabia muito pouco na época, porém abandonou-a ao constatar os prejuízos de sua utilização. Mas foi somente ao redor dos 40 anos de idade que Freud revolucionou a ciência e a cultura através da psicanálise; para tanto, teve que extrapolar as barreiras da neurologia e seu método científico tradicional, já que o objeto de sua teoria e técnica eram o inconsciente humano e não haveria forma de alcançá-lo sem a contribuição da psicologia, antropologia, linguística, história, literatura, entre outras.

Tudo isso regado a uma boa dose de intuição e não somente verdade observável. Em termos de compreensão do funcionamento cerebral, se hoje ainda estamos engatinhando, é evidente que em 1900 neuro espelhoFreud não dispunha de quaisquer ferramentas para investigar o cérebro com profundidade. Além disso, suas pesquisas sempre foram voltadas para o interesse clínico – ele queria, em última instância, descobrir e tentar resolver a causa dos sintomas dos pacientes que lhe batiam à porta. Nesse contexto, Freud recorreu a muita observação (ou melhor, escuta afiada), seguido de construções de hipóteses sobre o funcionamento mental, o que ele chamou de metapsicologia. Read More

Permalink

– Michel Foucault: história e experiência (por Saulo Mota)

foucault arco iris

 

Nas últimas semanas o nome do filósofo Michel Foucault tem sido evocado nas mídias digitais e impressas, depois que a cátedra universitária “Michel Foucault e a Filosofia do Presente” foi vetada pelo Conselho Superior da Fundação São Paulo, que é a mantenedora da PUC – SP. O motivo alegado, de que seu pensamento não coaduna com os princípios da igreja católica, deixou professores e pesquisadores de todo o Brasil estarrecidos, já que o autor de obras como “Vigiar e Punir” e “História da Sexualidade” tem influenciado amplamente pesquisas no campo das ciências humanas e sociais no Brasil. Com intervenções artísticas e acadêmicas, diversas mobilizações têm acontecido na universidade na tentativa de reverter tal decisão. Mas quem foi Foucault e por que seu pensamento é tão influente em pleno século XXI? Longe de tentarmos defini-lo ou mesmo conceituá-lo, propomos revisitá-lo e escutá-lo sobre sua própria história.

Em 1981, Foucault declarou que a cada vez que buscou fazer um trabalho teórico, o fez partindo de elementos de sua própria experiência, sempre em relação a processos que via acontecer em seu entorno. Isso porque acreditou reconhecer fissuras, disfunções, abalos surdos nas coisas que presenciava, seja nas instituições com que se ocupava, ou em suas relações com os outros, que motivaram a realização de seus trabalhos. Nesse sentido, Foucault lembra foucault hosp psiqque durante sua formação em Psicologia e Filosofia pela École Normale Supérieure, em Paris, na década de 1950, se tornou visitante assíduo da unidade psiquiátrica do Hôpital Saint-Anne, onde “queria ver o que era a Loucura”. No hospital não tinha função precisa, e podia circular entre doentes e vigilantes, ainda que fosse considerado membro não remunerado da equipe. Era um período de expansão das neurocirurgias e da farmacologia, práticas e saberes que Foucault diz ter aceitado como necessários no início. Contudo, ao final de três meses, passou a se perguntar qual a sua necessidade. Com um profundo mal-estar, três anos depois, Foucault abandonou este trabalho, partiu para a Suécia e iniciou a escrever o que entendeu como uma história dessas práticas. Read More

Permalink

– Adolescentes, jogos eletrônicos e hiperrealidade.

Certo dia, enquanto um de nós coordenava um grupo terapêutico para adolescentes, escutou de um deles: “vocês viram que o pessoal tá assustado, não tá saindo na rua com medo dos assaltos à banco que estão acontecendo?”.  Você deve estar pensando que o adolescente se referia a uma realidade concreta, ao contexto de criminalidade vivido em seu bairro, alguma espécie de “toque de recolher”, infelizmente comum na realidade brasileira. Mas não!!gta

Enquanto a conversa fluía, tranquilamente para os jovens e cada vez mais confusa para o terapeuta, tudo finalmente fez sentido: eles não estavam referindo-se à vida concreta, mas sim a um acontecimento na realidade virtual. Trata-se do jogo Grand Theft Auto (GTA 5), que no seu modo online permite ações compartilhadas entre muitos jogadores, em um contexto que impressiona pela perfeição gráfica e precisão dos cenários, sendo estes cópias extremamente fiéis a cidades reais. Read More