Acupuntura e Saúde Mental

por Evandro de Oliveira Gavi*

A acupuntura é uma prática curativa derivada da medicina chinesa que é realizada a partir da inserção de agulhas próprias em determinadas áreas do corpo humano conhecidas por pontos de acupuntura. É uma especialidade que vem se tornando cada vez mais conhecida e usada no Brasil, especialmente no tratamento de dores crônicas.  

É natural que os conhecimentos adquiridos em outras localidades (países, por exemplo) sejam adaptados à cultura local. Os conhecimentos da medicina chinesa também foram “ocidentalizados”, ou “abrasileirados”, o que na prática se apresenta como um conjunto de pontos para determinado sintoma, à semelhança da dipirona para dor de cabeça. Ocorre que a acupuntura não é somente a inserção das agulhas nos pontos, mas principalmente uma forma de entender o processo de saúde e de adoecimento dos seres vivos.

Segundo a medicina chinesa, tudo na natureza é mutável, cíclico, complementar. Esse conceito é primeiramente representado pela imagem do Yin Yang, no qual a parte branca se torna preta e vice-versa, indefinidamente. O segundo conceito é o dos cinco movimentos, algumas vezes traduzidos como cinco elementos. A água representa o início do ciclo, que serve como nutriente para o próximo movimento, a madeira. Esta representa o crescimento, como a muda se tornando árvore. A seguir vem o movimento fogo, a expansão daquilo que cresceu. Ao chegar no limite de sua expansão, o movimento terra transforma aquela energia em algo novo. E, finalmente, no movimento metal, essa energia é purificada, reiniciando o ciclo no movimento água.

Por se tratar de um modo diferente de encarar as coisas do que estamos acostumados no Brasil, a explicação dos cinco movimentos pode soar um tanto confusa. Vamos tentar esclarecer um pouco mais a partir de um exemplo mais corriqueiro, que são as nossas emoções.

Bem, os cinco movimentos na filosofia chinesa explicam a natureza, de modo que podem ser aplicados ao corpo humano também. Cada órgão é associado a um movimento, sendo os principais deles os rins (água), fígado (madeira), coração (fogo), baço-pâncreas (terra) e pulmões (metal). Mais além, cada emoção é associada a um órgão e, consequentemente, a um dos movimentos. São elas: medo (rins), raiva (fígado), alegria (coração), preocupação (baço-pâncreas), tristeza (pulmão).

Agora vamos tomar como exemplo o transtorno mental conhecido como depressão. Segundo a medicina chinesa, uma pessoa com sintomas de irritabilidade e labilidade do humor muito provavelmente terá um desequilíbrio energético no fígado. Uma pessoa cujo humor triste é predominante no quadro pode ter sua desarmonia de base energética no pulmão. Uma terceira pessoa pode ter seus sintomas predominantes como falta de energia, sensação de peso no corpo e pensamentos ruminantes que não saem da cabeça, nos apontando uma desarmonia no baço-pâncreas.

É importante perceber que o manual diagnóstico mais usado na psiquiatria, o DSM-V, permite o diagnóstico de depressão em todas essas condições. Na acupuntura, podemos perceber que são entidades clínicas diferentes, que requerem abordagens e pontos de acupuntura diferentes.

Você já havia pensado no seu corpo e nas suas emoções sob esse ponto de vista?

*Evandro de Oliveira Gavi é médico psiquiatra e acupunturista (CRM-SP 147.894). Trabalha como preceptor do programa de residência médica em psiquiatria do Serviço de Saúde Dr. Cândido Ferreira e na Clínica Audi & Gavi em Campinas. Telefone de contato (19) 99747-1530. Leia mais em focointerno.com.br.

Leave a Comment





%d blogueiros gostam disto: