O recalque em Valesca Popozuda, Jean Willys e Sigmund Freud.

Muito se tem falado sobre recalque. Recentemente a música de Valesca Popuzada com o dizer “deixa de recalque” se espalhou pelo Brasil, colocando o conceito psicanalítico na boca do povo.

valeskaNuma entrevista ao Sakamoto, o deputado Jean Willys disse que o fascismo e o conservadorismo brasileiros foram recalcados com o fim da ditadura e a Constituição de 1988. Agora, estas forças poderiam estar retornando.

O recalque é um conceito fundamental na teoria psicanalítica, entendido por Freud tanto como constitutivo do núcleo original do inconsciente, como também um mecanismo de defesa para “esquecer” conteúdos penosos à consciência.

Mas o que dizer sobre o recalque?

Na entrevista, referindo-se a uma compreensão social, o recalque está associado ao retorno de forças que estavam reprimidas pelo discurso público emanado do período político do final da ditadura e a Constituição de 1988. Seria o retorno do recalcado.

Já na música, a cantora refere-se à pessoa recalcada como invejosa de seu poder e status. O “deixa de recalque” seria como uma chamada à pessoa fazer o que quiser, se liberar.

prisoes-mentais-recalqueHoje vemos diferentes pessoas usarem “recalque” para se referir a uma pessoa que reclama, critica e ataca alguém
que, no fundo, gostaria de ser. Trata-se de uma espécie de “inveja”. O termo também tem sido utilizado como uma espécie de pudor, como se houvesse uma barreira que impediria a pessoa de se realizar.

Para a psicanalista francesa Roudinesco, “o recalque designa o processo que visa manter no inconsciente todas as ideias e representações ligadas a pulsão e cuja realização, produtora de prazer, afetaria o equilíbrio do funcionamento psicológico do indivíduo, transformando-se em fonte de desprazer”.

O recalque, portanto, teria o caráter de uma defesa psíquica. As ideias – representações – que geram conflitos com a realidade externa e com o próprio ego são recalcadas, tornadas inconscientes, ou seja, temporariamente esquecidas, mas sem nunca desaparecem de fato.

 

É interessante notar o desenvolvimento vivo no significado e uso das palavras ao longo do tempo. Por que será que o termo recalquepintura_Argentino ganhou o significado atual? Uma frase proferida por Valesca nos últimos dias pode nos ajudar a responder esta pergunta. A funkeira disse: “Ser vadia é ser livre”. Da mesma forma como Jean Willys falou sobre o retorno do recalcado, talvez possamos pensar que os mesmos impulsos libidinais que no início do século passado precisavam ser reprimidos e em determinadas pessoas recalcados, atualmente são escancaradamente exibidos. Hoje, as recalcadas são aquelas que não exibem sua sexualidade de forma explícita e midiática. Nas últimas semanas, a mais nova moda na rede social Instagram é tirar fotos “selfie” após o ato sexual. A questão não é o julgamento moral, mas sim a forma com que a sexualidade tem sido vivenciada, de modo muito diferente do que se compararmos com poucas décadas atrás. Quem serão  as (os) recalcadas (os) daqui a vinte anos?

 

Bruno Mangolini, Bruno Espósito e Tomás Bonomi.

 

 

Deixe uma resposta

2 comments on “O recalque em Valesca Popozuda, Jean Willys e Sigmund Freud.

  1. Maíra Meyer disse:

    Muito legal! Porém acredito que o uso do termo na música tenha sido posterior à popularização..

    • conexoesclinicas disse:

      Olá Maíra! Agradecemos seu interesse! De fato a música veio quando o termo já era bastante conhecido, mas com certeza ajudou a disseminar e a diversificar seu significado. Um abraço!