Posts Tagged ‘acompanhamento terapêutico’

Reflexões sobre o conceito de transferência no Acompanhamento Terapêutico

por Juliana Vidigal* Sabemos que o contexto teórico da psicanálise muito mudou desde os escritos de Freud. A sociedade passou por transformações culturais, tecnológicas, reorganização das instituições sociais, familiares e de gênero e isso modificou as demandas de atendimento. O ritmo de vida social e profissional tornou-se mais intenso e acelerado e, consequentemente, os processos…

Read More

Livro: “Clínica em Trânsito: acompanhamentos terapêuticos”

É com muito orgulho que nós, Equipe de A.T. do Instituto A Casa, dividimos esse trabalho com vocês. Foram mais de 4 anos de clínica, conversas, leituras, escritos, sonhos, frustrações e revisões até chegar a esse produto final que nos deixou muito satisfeitos. O livro reúne testemunhos clínicos e questionamentos vivos acerca do trabalho do…

Read More

Alzheimer: contribuições da clínica do A.T.

Quando a memória ganha uma própria geografia, afastando-se cada vez mais do tempo cronológico, inaugura-se uma nova maneira de ser e estar no mundo. Os idosos com problemas de memória tem chegado cada vez mais aos acompanhantes terapêuticos. Normalmente, a família busca ajuda ao notar que sua autonomia passa a ser comprometida pelos lapsos de…

Read More

Quando acaba um Acompanhamento Terapêutico ?

O acompanhamento terapêutico (A.T.) surge como dispositivo clínico no Brasil na esteira da reforma psiquiátrica. De início chamados de “auxiliares psiquiátricos”, tratavam majoritariamente de pacientes psicóticos crônicos, e foram figuras importantes no processo do fechamento das instituições psiquiátricas e na criação de um novo sistema básico de atenção em saúde mental. Passados quase 40 anos,…

Read More

“Causos Clínicos”: as traquinagens no A.T.

Quando trabalhava em uma instituição voltada a pacientes psiquiátricos, durante algum tempo atendi um paciente jovem com quadro de esquizofrenia já estabelecido e que em alguns momentos fazia uso abusivo de cocaína. Apesar dessa combinação arriscada, o paciente era geralmente afetivo, cheio de energia e de anseios com relação a seu futuro, tal como os…

Read More