Precisamos falar sobre os nomes dos remédios psiquiátricos.

prozac

Quem quer ter sucesso em vendas, sabe que uma das armas mais poderosas é dar ao seu produto um nome que gere o máximo de expectativas positivas no consumidor, criando a ideia de que algo se solucionará instantaneamente. Costuma funcionar assim com alimentos, produtos de limpeza, revistas de notícias e até com remédios.

O caso da indústria farmacêutica com relação às medicações psiquiátricas é particularmente curioso. Se por um lado essas empresas tentam revestir-se em um Exodusdiscurso de cientificidade, ou seja, de que estudos rigorosos atestam a eficácia desses remédios e isso seria per se a justificativa para sua prescrição e consumo, por outro lado parece ser o terreno onde mais se exploram as expectativas do consumidor ou das famílias em relação à medicação. Os nomes-fantasia (nomes que são dados pela Farmacêutica em cima do nome do princípio-ativo) mais do que nitidamente visam despertar fantasias de cura ou de potência no paciente (e quem sabe até nos próprios profissionais da saúde), algo que supera o efeito estritamente químico da medicação, mas que não deixa de ter um efeito direto na própria doença – mesmo que por um tempo determinado.

Eis que estamos mais uma vez diante do efeito placebo. Pergunte ao pesquisador mais cético e ele o confirmará: em testes de medicações no qual o grupo experimental recebe o remédio verdadeiro e o grupo controle recebe uma pílula inócua, ao cabo de algumas semanas um número expressivo de pacientes deste segundo grupo sente a melhora de seus sintomas. Na prática clínica, qualquer que seja o enfoque, os profissionais tendem a considerar o efeito placebo em jogo no tratamento, por exemplo quando o paciente refere melhora de sintomas mais básicos no extremo início de umaritalina psicoterapia.

 

Mas isso tudo, a nosso ver, coloca uma questão técnica e ética de primeira ordem. Sabemos que o efeito placebo existe, mas até que ponto temos o direito de explorá-lo, alimentá-lo e até iludir consumidores que estão desesperadamente procurando alívio para seus sofrimentos? A quem caberia regulamentar os nomes fantasia, assegurando que as pessoas não serão levadas a comprar apenas pelo jogo de palavras e significados envolvidos no nome do medicamento? Enquanto pensamos nisso, vale ver um pequeno dicionário politicamente incorreto de motivações fantasiosas dos remédios psiquiátricos, que criamos abaixo:

Ansilive® (diazepan, ansiolítico): alívio na ansiedade.

Menostress® (diazepan, ansiolítico): menos estresse.

Menotensil® (clordiazepóxido, ansiolítico): menos tensão.

Pondera® (paroxetina, antidepressivo): para ponderar.

Digassim® (fluoxetina, antidepressivo): saia da negatividade da depressão e diga sim!

Concerta® (metilfenidato): para consertar crianças que não aprendem e se comportam mal.

Exodus® (escitalopram, antidepressivo): fuja da tristeza e encontre o sentido da vida.

Abilify® (aripiprazol, antipsicótico): I Believe na cura.

Socian® (amissulprida, antipsicótico): pra socializar.

Helleva® (lodenafila, disfunção erétil*): eleva qualquer defunto.

* não é propriamente psiquiátrico, mas vale a menção!

 

Bruno Espósito, Tomás Bonomi e Bruno Mangolini


Leia Mais

  • All
  • Uncategorized
  • Educação e tecnologia
  • Filosofia e cultura
  • Psicanálise e clínica contemporânea
– À querida Silvana Rabello
Considerações sobre queixas escolares. Entrevista com Beatriz De Paula Souza.
Suicídio: dados, fatores de risco e manejo.
Adolescentes, jogos eletrônicos e hiperrealidade.

Comentários

One Reply to “Precisamos falar sobre os nomes dos remédios psiquiátricos.”

germán

¡sigan medicando por cualquier cosa, se pasan cual niños terribles!

Responder

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Se inscreva para nossa Newsletter!

Nós enviamos as novas publicações do Conexões direto para sua caixa de email.